Lista de nomes
Pesquisa
  OK
Morto e desaparecido
Audiovisual
Bibliografia
Eventos
História
Legislação
Notícias
Chael Charles Schreier
Ficha Pessoal  
   
Dados Pessoais  
Nome: Chael Charles Schreier
Cidade:
(onde nasceu)
São Paulo
Estado:
(onde nasceu)
SP
País:
(onde nasceu)
Brasil
Data:
(de nascimento)
23/4/1946
Atividade: Estudante universitário
UniversidadeFaculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia
   
Dados da Militância  
Organização:
(na qual militava)
Vanguarda Armada Revolucionária Palmares VAR-Palmares
Brasil
Nome falso:
(Codinome)
Joaquim
Prisão: 21/11/1969
Rio de Janeiro RJ Brasil
em casa, na R. Aquibadã, 1053, Lins de Vasconcelos
Morto ou Desaparecido:
Morto
24/11/1969
Rio de Janeiro RJ Brasil
Quartel da Polícia do Exército (PE), na Vila Militar
Morreu sob torturas.
Clandestinidade
   
Dados da repressão  
Orgãos de repressão
(envolvido na morte ou desaparecimento)
Polícia do Exército PE Brasil
Agente da repressão:
(envolvido na morte ou desaparecimento)
Airton Guimarães , Lauria
Médico legista:
(envolvido na morte ou desaparecimento)
Guilherme Achilles de Faria Mello, Oswaldo Caymmi Ferreira, Rubens Pedro Macuco Janini
   
Biografia  
   
Documentos  
Artigo de jornal
JM decreta a prisão de 17 estudantes. (Sem fonte e data). Relata o decreto de prisão preventiva dos dezessete estudantes que participaram do seqüestro do embaixador dos Estados Unidos Charles Elbrick, citando os que já se encontram presos e os demais, que estão foragidos. Entre eles estão Joaquim Câmara Ferreira e Stuart Edgard Angel Jones. Também relata o julgamento que absolveu Leonel Brizola e mais seis pessoas, por falta de provas, das acusações de atividades "anti-revolucionárias" e condenou vinte e oito pessoas acusadas de subversão. Informa sobre a ação de "terroristas" no Nordeste, citando a descoberta da polícia de estudantes com "aparelhos" em João Pessoa e que estão escondidos no Recife e discorre sobre Amaro Luis de Carvalho, o "Capivara", preso no Nordeste após ter participado de cursos em Cuba e na China, seqüestro de avião em São Paulo e de ter organizado um foco de subversão em Pernambuco. Informa ainda sobre a morte de Chael Charles Schreier, ferido por tiros ao resistir à prisão no desmantelamento de aparelho no Rio de Janeiro. Finaliza com a denúncia de Aladino Félix, que utilizava o nome falso de "Sábato Dinotos" e de mais 12 pessoas ligadas a ele, após investigações citadas no artigo. Possui o carimbo do DOPS.

Relatório
Documento do DOPS/SP, de 13/05/70. Informa que Chael participou da organização da defesa do CRUSP, foi preso pelo DEIC, pois estava portando armas, era integrante da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares). Foi preso juntamente com Antônio Roberto Espinosa e Maria Auxiliadora de Lara Barcelos, mas ambos resistiram à prisão e foram feridos, sendo que Chael veio a falecer devido a um ataque cardíaco no Hospital Central do Exército (HCE). Uma das cópias tem os códigos de onde as informações foram retiradas e a outra possui fotografia de rosto.

Relatório
Documento do II Exército, de 30/12/69. Informa a prisão de Antônio Roberto Espinosa, Maria Auxiliadora Lara Barcelos e Chael Charles Schereir e que, devido a documentos apreendidos com os mesmos, o Exército desconfia que as organizações de esquerda pretendiam pôr em prática um "terrorismo seletivo".

Relatório
Documento do Serviço de Informações do DOPS sobre Hiroaki Torigoi, enviado ao Poder Judiciário em 11/01/72. Segundo este documento, Hiroaki foi aluno da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, quando participou de movimentos estudantis. Cita o informe de 28/12/69 sobre a situação da Faculdade citada, onde são solicitadas averiguações de vários companheiros de Chael Charles Schreier, entre eles, Hiroaki Torigoi. Além disso, informa que Hiroaki atuava em assaltos e panfletagens, participou da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) e da Ação Libertadora Nacional (ALN) e de atentado ao Consulado Americano. Dentre as ações "subversivas", informa que foi um dos participantes do assalto contra a perua do Banco Nacional de Minas Gerais, na Lapa, São Paulo, SP, em 1970, quando teria auxiliado Eduardo Leite a conduzir o ferido Ari Rocha Miranda para o seu "aparelho". O documento possui códigos das pastas de onde foram retiradas as informações de cada parágrafo.

Relatório
Página 2 de documento com denúncia de organizações de esquerda encontrado no arquivo do DOPS/SP. Possui lista dos brasileiros assassinados pela ditadura militar, cita três brasileiros inválidos e artigo do Estado de São Paulo de 13/05/70, questionando sobre pena de morte no Brasil em virtude de comissão especial de justiça a ser designada para julgar quatro acusados de terrorismo em Olinda, PE, que poderá condená-los à pena de morte. Na lista dos brasileiros assassinados constam: Carlos Marighella, Edson Luiz, José Guimarães, João Roberto, Chael, Padre Henrique (Antônio Henrique), Bernardino Saraiva, Carlos Roberto Zanirato, Carlos Schirmer, José de Souza, João Lucas Alves, Manuel Alves de Oliveira, Pedro Inácio de Araújo, Hamilton Cunha, Severino Melo, Severino Viana Colon, Reinaldo Pimenta, Fernando Ruivo (Fernando Borges de Paula Ferreira), Virgílio Gomes, Mário Alves, além de José Araújo Nóbrega.

Relatório
Relatório das circunstâncias da morte de Chael Charles Schreier, elaborado pela Comissão dos Familiares dos Mortos e Desaparecidos Políticos em 15/04/96, e enviado à Comissão Especial Lei 9.140/95.

Relatório
Documento da Comissão Especial - Lei 9.140/95, em 18/03/96. Relatora: Suzana Keniger Lisboa. Referente ao requerimento de Emília Brickmann Schreier, mãe de Chael Charles Schreier, para o reconhecimento da morte e inclusão de seu nome nos termos da Lei 9.140/95. Traz as circunstâncias da morte de Chael e a conclusão de Suzana favorável ao deferimento do pedido.

Relatório
Relatório produzido pelo Comitê de Solidariedade aos Presos Políticos do Brasil em 02/73. Denuncia mortes de presos políticos aos Bispos do Brasil. Documento apreendido pelo DOPS em poder de Ronaldo Mouth Queiroz.

Mapa
Croquis apreendidos pelo II Exército, no ato da prisão de Antônio Roberto Espinosa, Maria Auxiliadora Lara Barcelos e Chael Charles Schereier. Acreditam que sejam da localização da residência do Ministro Delfim Neto e de uma chácara ainda não identificada.

Folheto
Panfleto da UNE-UBES, intitulado Campanha Nacional contra os Crimes da Ditadura Militar, denunciando as torturas sofridas por presos políticos e divulgadas em publicações clandestinas. Cita alguns assassinatos praticados pela ditadura militar como Carlos Marighella, Chael Charles Schreier, Antônio Henrique Pereira Neto (Padre Henrique) e João Roberto Borges de Souza, além de diversos casos de violência e tortura, causando seqüelas em diversas pessoas. O documento possui carimbo do arquivo do DOPS de 21/07/70.

Certidão de óbito
Documento emitido pelo Cartório Permínio de Carvalho Asfura, Rio de Janeiro/Estado da Guanabara, em 26/11/69.

Interrogatório
Depoimento de um preso político à Segunda Auditoria da Marinha, em 27/05/71. Declara que em 1969 passou a integrar o Comando Nacional da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares) visando desenvolver reivindicações da classe trabalhadora e mobilizações para a instituição do socialismo; que sofreu coações e torturas por dois meses no DOI-CODI e na Polícia do Exército (PE); e que estranha o fato de Carlos Alberto Soares de Freitas, também integrante do Comando Nacional daquela organização, não estar presente, pois receia que tenha tido o mesmo fim de Chael Charles Schreier, João Lucas Alves, Eduardo Collen Leite, entre outros.

Parte de livro
Teles, Janaína (org.). Mortos e desaparecidos políticos: reparação ou impunidade? São Paulo: Humanitas - FFLCH/USP, 2000. p.172-176. Lista de nomes dos presos políticos cujas famílias receberam indenização do governo por este ter assumido a responsabilidade pela morte ou desaparecimento dos mesmos.

Carta
Carta de Tito de Alencar para o presidente da Confederação Evangélica Brasileira (CEB), em 03/70. Critica a negligência de Karl Gottschald, presidente da CEB, com relação aos protestantes que sofrem torturas em presídios brasileiros. Em anexo está o depoimento de Frei Tito sobre as torturas recebidas na OBAN em São Paulo, o que o levaram a tentar o suicídio, e que mataram Chael Charles Schreier e Virgílio Gomes da Silva. Possui o carimbo do arquivo do DOPS.


voltar
EREMIAS DELIZOICOV - Centro de documentação | DOSSIÊ - Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil
2002 - 2007 Todos os direitos Reservados