Lista de nomes
Pesquisa
  OK
Morto e desaparecido
Audiovisual
Bibliografia
Eventos
História
Legislação
Notícias
Mariano Joaquim da Silva
Ficha Pessoal  
   
Dados Pessoais  
Nome: Mariano Joaquim da Silva
Cidade:
(onde nasceu)
Timbaúba
Estado:
(onde nasceu)
PE
País:
(onde nasceu)
Brasil
Data:
(de nascimento)
2/5/1930
Atividade: Operário
   
Dados da Militância  
Organização:
(na qual militava)
Ligas Camponesas
Brasil
Partido Comunista Brasileiro PCB
Brasil
Partido Revolucionário dos Trabalhadores PRT
Brasil
Vanguarda Armada Revolucionária Palmares VAR-Palmares
Brasil
Nome falso:
(Codinome)
Mariano José da Silva, Valério, Loiola, Armando, Xavier, José Francisco Xavier Filho, Coronel, Lauro, Madeira, Afonso
Prisão: 28/10/1954
Timbaúba PE Brasil
Liberado no dia seguinte.5/5/1956
PE Brasil
1/5/1971
Recife PE Brasil
Morto ou Desaparecido:
Desaparecido
31/5/1971
Petrópolis RJ Brasil
Casa da Morte
Segundo depoimento de Inês Etienne Romeu.
Clandestinidade
   
Dados da repressão  
Orgãos de repressão
(envolvido na morte ou desaparecimento)
Casa da Morte de Petrópolis RJ Brasil
Departamento de Operações Internas - Centro de Operações de Defesa Interna/SP DOI-CODI/SP SP Brasil
   
Biografia  
   
Documentos  
Artigo de jornal
A atuação de cada um no terrorismo. O Globo, Rio de Janeiro, 28 set. 1971, p. 15. Lista de pessoas procuradas pelos órgãos de segurança com suas respectivas "atividades subversivas". São citados: Carlos Alberto Soares de Freitas, Sérgio Landulfo Furtado, Getúlio d'Oliveira Cabral, Mariano Joaquim da Silva, José Júlio de Araújo, Stuart Edgard Angel Jones, Iuri Xavier Pereira, Alex de Paula Xavier Pereira, Antônio Carlos Bicalho Lana.

Artigo de jornal
Pequeno artigo publicado pelo jornal Notícias Populares, de São Paulo, a 29/09/71, recortado e colado em ficha da Delegacia de Segurança Social de Pernambuco. O artigo informa os nomes falsos de Mariano e fornece resumo de suas principais ações: atuação nas Ligas Camponesas, participação na reedição do jornal "Ligas"; secretário do Sindicato Rural do Município de Timbaúba, PE, em 1954; membro do Comitê Distrital do Partido Comunista Brasileiro (PCB), de Cordeiro, PE; auxiliou na fundação do Partido Revolucionário dos Trabalhadores (PRT); e membro do Comando Nacional da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares).

Artigo de jornal
STM pede todos os processos para dar anistia aos revéis. Folha de S. Paulo, São Paulo, 22 set. 1979. Segundo o Superior Tribunal Militar (STM), os réus que foram julgados à revelia devem ser beneficiados pela Lei da Anistia. No Rio de Janeiro já foram anistiadas várias pessoas condenadas por crimes contra a segurança nacional, entre eles: Ruy Carlos Vieira Berbet, Maria Augusta Thomaz, Mariano Joaquim da Silva e Maria Auxiliadora Lara Barcelos. Em Brasília foram beneficiadas quatro pessoas e, em São Paulo, foram concedidos dois livramentos condicionais.

Artigo de jornal
Artigo incompleto, sem fonte e sem data, intitulado: Encontro de anistia divulga lista com novos desaparecidos. Informa que o Congresso Nacional pela Anistia divulgou lista com nomes de pessoas mortas e desaparecidas a partir de 1964.

Foto
Cópias de duas fotos de rosto, provavelmente proveniente de algum órgão da repressão, a primeira encontrada em Recife, PE e a segunda apresentada por Mariano em Formosa, GO.

Foto
Foto original e preto e branco de busto.

Relatório
Indicações para a localização dos restos mortais de Mariano Joaquim da Silva. Complementa as informações para a Comissão Especial Lei 9.140/95, a fim de que a morte de Mariano seja reconhecida nos termos da lei 9.140/95.

Relatório
Relatório produzido pelo Comitê de Solidariedade aos Presos Políticos do Brasil em 02/73. Denuncia mortes de presos políticos aos Bispos do Brasil. Documento apreendido pelo DOPS em poder de Ronaldo Mouth Queiroz.

Ficha pessoal
Antecedentes na Delegacia de Segurança Social de Pernambuco citando inicialmente sua prisão em 1954 em Timbaúba, PE, por exercer atividades subversivas; militância no Partido Comunista Brasileiro (PCB) e cargo de secretário do Sindicato Rural do Município de Timbaúba, em 1961; indiciamento em 1971, no Inquérito Policial Militar da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares) instaurado em Brasília; em 1971, membro do Partido Revolucionário dos Trabalhadores (PRT); finaliza com informação publicada na imprensa sobre condenação de Mariano à prisão. A última folha está pouco legível.

Ficha pessoal
Registros de preso de Mariano da Delegacia Auxiliar (PE): uma prisão em 05/05/56 sem data de saída, alegando como motivo ser membro do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e ter sido encontrado com parte do material do Partido, constando também pertencer à Comissão de Campo do Comitê Regional; e outra prisão em 28/09/54 tendo sido solto em 29/10/54, apontando que a detenção era para averiguações.

Ficha pessoal
Ficha pessoal, de 05/05/56, provavelmente da Secretaria de Segurança Pública de Pernambuco, com foto de rosto, qualificação e caracterização física.

Ficha pessoal
Documento, provavelmente oriundo de órgãos de repressão de Pernambuco, com foto de rosto e dados pessoais de Mariano.

Ficha pessoal
Fichas pessoais da Delegacia Auxiliar, provavelmente de Pernambuco, de 15/01/56 e 05/05/56, informando que em 05/53 Mariano ingressou no Partido Comunista Brasileiro (PCB), estava lendo vários livros de literatura marxista, fez parte da greve dos sapateiros, foi delegado à Conferência de Assalariados de Campina Grande e foi tesoureiro do Sindicato. Também informa a detenção, em Timbaúba, PE, como suspeito de exercer atividade comunista (28/10/54) e posto em liberdade no dia seguinte e prisão por pertencer à Comissão do Campo do Comitê Regional do Partido (05/05/56). Acompanha breve autobiografia sobre sua origem pobre e camponesa.

Interrogatório
Documento da Auditoria da Marinha de 27/05/71. Possui em anexo parte de documento do Conselho Permanente de Justiça, da Auditoria da Marinha de 13/07/71 em que o pedido de prisão de Carlos Alberto, Mariano Joaquim da Silva e Sérgio Emanuel Dias Campos é deferido. Documento pouco legível.

Impressões digitais
Documento do Gabinete de Identificação de Pernambuco, de 07/05/56, enviando ao delegado auxiliar as impressões digitais e alguns dados gerais de Mariano Joaquim da Silva.

Ofício
Documento da Primeira Auditoria da Aeronáutica ao juiz Corregedor da Justiça Militar, de 27/01/71, remetendo para a distribuição de autos do Inquérito Policial Militar instaurado pela Aeronáutica para apurar atividades subversivas dos membros da Vanguarda Armada Revolucionária-Palmares (VAR-Palmares), figurando como indiciados Carlos Alberto Soares de Freitas, Sérgio Emanuel Dias Campos, Mariano Joaquim da Silva, Carlos Franklin Paixão, Jorge Eduardo, Fernando Luiz, Claudio Jorge, Edson Lourival Reis.

Ofício
Comunicado de um investigador de Recife, PE, à Delegacia Auxiliar, de 28/10/54, em que aquele informa ter feito uma diligência no dia anterior ao município de Timbaúba e adjacências no mesmo Estado, tendo encontrado na casa de Manuel Coutinho vários jornais de caráter comunista, mas o mesmo fugiu. Em seguida, comunica ter prendido o presidente do Sindicato dos Sapateiros, Sargento Rui Sá Barreto, o tesoureiro do mesmo Sindicato, Júlio Venâncio do Sá, além de Mariano Joaquim da Silva.

Ofício
Documento da Delegacia de Segurança Social, de Pernambuco, de 05/08/71, ao secretário de Segurança Pública de Pernambuco, comunicando envio, em anexo, de mandado de prisão contra Celso Crispim, Francisco José de Moura e Mariano Joaquim da Silva, condenados à reclusão de dois anos e meio e à pena de 10 anos de suspensão dos direitos políticos, por unanimidade, pelo Conselho Permanente da Justiça do Exército.

Ofício
Documento da Delegacia da Segurança Social, de Pernambuco, de 26/12/70, em resposta ao pedido de busca do Serviço Nacional de Informações (SNI), de 24/08/70, informando não ter sido possível encontrar Mariano Joaquim da Silva em Recife e na Grande Recife, nem comprovar sua ligação com João Abrantes Pinheiro Filho, o qual estaria sendo acusado de proteger criminosos em troca de colaboração financeira.

Ofício
Documento da Delegacia de Segurança Social de Pernambuco, de 11/06/70, ao DOPS/PB, informando ter encontrado em arquivo informações sobre Mariano Joaquim da Silva, das quais citam dados pessoais, prisões e acusações.

Ofício
Documento da Seção de Arquivos, da Delegacia de Segurança Social de Pernambuco, de 16/10/70, atendendo pedido de busca do IV Exército, MG, no qual informa que Mariano Joaquim da Silva é prontuariado naquele arquivo por atividades consideradas subversivas.

Ofício
Documento da Seção de Arquivos, da Delegacia de Segurança Social, de Pernambuco, de 20/02/73, atendendo pedido de busca do IV Exército, no qual informa envio, em anexo, de cópia xerox da individual dactiloscópica de Mariano Joaquim da Silva.

Ofício
Documento da Secretaria de Segurança Pública, de Pernambuco, de 05/06/56, sobre recebimento, da Delegacia Auxiliar, de documentos pertencentes a Mariano Joaquim da Silva.

Ofício
Parte de documento da Secretaria da Segurança Pública de Pernambuco, pouco legível, informando que Carlos Alberto Soares mantém contatos no Nordeste, provavelmente em Recife, PE, com Mariano Joaquim da Silva, o qual coordena a Regional do Nordeste.

Depoimento
Documento manuscrito por Mariano sobre sua prisão, em outubro de 1954, em Pernambuco, junto com membros do Sindicato dos Sapateiros, em que conta ter ficado incomunicável e quase ter morrido de fome. Diz que foi interrogado sobre a origem do Sindicato Rural e sobre suas preferências partidárias. Foi elogiado, pois teria um "livro na cabeça" e afirmou ser militante das questões rurais por conhecer a vida difícil do campo. Foi solto e ameaçado de que, se continuasse com o movimento camponês, mandariam buscá-lo para deixá-lo na cadeia de Beberibe e "derretê-lo no cacete".

Legislação
Lei 9.140/95. Diário Oficial, Brasília, n. 232, 5 dez. 1995. Reconhece como mortas pessoas desaparecidas em razão de participação, ou acusação de participação, em atividades políticas, entre 02/09/61 a 15/08/79, e que por este motivo tenham sido detidas por agentes públicos, achando-se, desde então, desaparecidas, sem que delas haja notícias. No Anexo I desta Lei foram publicados os nomes das pessoas que se enquadram na descrição acima. Ao todo são 136 nomes.


voltar
EREMIAS DELIZOICOV - Centro de documentação | DOSSIÊ - Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil
2002 - 2007 Todos os direitos Reservados