Lista de nomes
Pesquisa
  OK
Morto e desaparecido
Audiovisual
Bibliografia
Eventos
História
Legislação
Notícias
Hiran de Lima Pereira
Ficha Pessoal  
   
Dados Pessoais  
Nome: Hiran de Lima Pereira
Cidade:
(onde nasceu)
Caicó
Estado:
(onde nasceu)
RN
País:
(onde nasceu)
Brasil
Data:
(de nascimento)
3/10/1913
Atividade: Jornalista
   
Dados da Militância  
Organização:
(na qual militava)
Partido Comunista Brasileiro PCB
Brasil
Nome falso:
(Codinome)
José Vanildo de Oliveira Almeida, José Scipião, Arthur José da Costa, Camelo, Fernando, Zeca, Artur, Fernandes
Prisão: 15/1/1975
São Paulo SP Brasil
0/4/1975
Segundo Relatório do Ministério da Marinha.
Morto ou Desaparecido:
Desaparecido
15/1/1975
São Paulo SP Brasil
Clandestinidade
   
Dados da repressão  
Orgãos de repressão
(envolvido na morte ou desaparecimento)
Departamento de Operações Internas - Centro de Operações de Defesa Interna/SP DOI-CODI/SP SP Brasil
Exército Brasileiro EB Brasil
   
Biografia  
   
Documentos  
Artigo de jornal
Auditoria da Marinha absolve acusados do PC. Folha de S. Paulo, São Paulo, 21 set. 1978. Com carimbo do arquivo do DOPS. O Conselho Permanente de Justiça absolve, por prescrição da ação penal, Luiz Carlos Prestes, Marco Antônio Tavares Coelho, Dimas de Assunção Perrim, João Massena Melo, Elson Costa, Orlando Rosa, David Capistrano, Luiz Inácio Maranhão Filho, Hiran de Lima, Itair José Veloso, Jaime Amorim, entre outros. O Comitê Brasileiro pela Anistia convocou para uma entrevista coletiva os familiares de desaparecidos que constam na lista de absolvidos com a intenção de apelarem junto ao governo no sentido de obter informações sobre o paradeiro de seus familiares.

Artigo de jornal
Hiran Pereira: já de volta, amanhã, de Fernando de Noronha. Jornal do Comércio, Recife, 18 jun. 1961. Informa que por ocasião do fim da greve estudantil Hiran de Lima Pereira, David Capistrano da Costa e Irineu Ferreira, detidos em Fernando de Noronha, seriam libertados.

Artigo de jornal
Hiran Pereira reassumirá cargo na Prefeitura; os sindicalistas libertados. Jornal do Comércio, Recife, 20 jun. 1961. Informa que Hiran voltou de Fernando de Noronha, onde estava preso e incomunicável, reassumindo seu cargo com a prisão relaxada. Muitos abaixo-assinados foram feitos em solidariedade.

Artigo de jornal
Exército soltou comunistas. Diário de Pernambuco, Recife, 20 jun. 1961. Informa que, com o fim da greve universitária, o IV Exército soltou Hiran de Lima Pereira, David Capistrano da Costa, Ramiro Justino e Irineu Ferreira, que estavam presos em Fernando de Noronha.

Artigo de jornal
'Habeas-corpus' para o comunista Hiran Pereira. Diário de Pernambuco, Recife, 26 mar. 1965. Informa que o Superior Tribunal Militar concedeu habeas corpus para Hiran.

Artigo de jornal
Coletânea de 14 artigos escritos por Hiran no período de 1949 até 1958 nos quais ele comenta: a importância das artes no governo comunista de Stalin, as dificuldades financeiras pelas quais o jornal “Folha do Povo” passou em 1950, o imperialismo americano e a influência política e econômica desse país no Brasil, os problemas eleitorais brasileiros e a força que a oposição teve nas eleições pernambucanas de 1954, o livro "Colonialismo: problema internacional", de Clovis Mello, os benefícios que a anistia poderia trazer para o país quando de sua votação no Congresso em 1956, a qualidade dos debates políticos promovidos pela imprensa e a eleição de Pelópidas Silveira para primeiro governador de Pernambuco considerada mais um passo para a democratização do país e o salário mínimo.

Artigo de jornal
Mês da Imprensa Popular: ao povo pernambucano. (sem fonte). Comentário sobre o mês da imprensa popular, citando a Folha do Povo, jornal de Recife, Pernambuco, como defensor da liberdade pública e da democracia. Artigo assinado, entre outros, por Hiran.

Artigo de jornal
Nossa gerência. Folha do Povo, Recife, 10 set. 1949. Informa a nomeação de Hiran de Lima Pereira para a gerência do jornal pernambucano Folha do Povo.

Artigo de jornal
Colonialismo, problema internacional. Folha do Povo, Recife, 31 mar. 1955. Chamada para a série de artigos escritos por Hiran de Lima Pereira, criticando o livro homônimo de Clovis Melo: "Colonialismo, problema internacional".

Artigo de jornal
Em que dia cairá Cantão. Folha do Povo, Recife, 1 out. 1949. Artigo comentando o desenrolar da Revolução Chinesa.

Artigo de jornal
A 'Folha' confia no povo e nos explorados das fábricas e empresas. Folha do Povo, Recife, 6 out. 1949. Pedido de contribuições e justificativas do material gasto na produção do jornal pernambucano Folha do Povo, do qual Hiran era gerente.

Artigo de jornal
Legalidade do PC, comunistas não querem já. Jornal do Comércio, Recife, 27 fev. 1959. Carta de Hiran ao Jornal do Comércio comentando sua luta pela legalidade democrática de todos os partidos, desmentindo a frase-título a ele atribuída.

Artigo de jornal
Legalidade do partido comunista exigência da vida democrática. Folha do Povo, Recife, 1 mar. 1959. Artigo reproduzindo a carta de Hiran ao Jornal do Comércio, publicado em Recife, comentando sua luta pela legalidade democrática de todos os partidos, desmentindo a frase "Legalidade do PC, comunistas não querem já", a ele atribuída.

Artigo de jornal
Documento sem fonte e data intitulado "Pelópidas Silveira é comunista". Artigo com cópia de telegrama de Pelópidas ao deputado Clodomir de Morais, citando Hiran de Lima Pereira.

Artigo de jornal
Nomeado Hiran Pereira diretor de administração da municipalidade recifense. Jornal do Comércio, Recife, 14 maio 1960. Nota sobre a posse de Hiran no referido cargo, e transcrição da carta do prefeito Miguel Arraes a Paulo Cavalcanti, jornalista que estava deixando o cargo dado a Hiran.

Artigo de jornal
Transcrição do artigo: Na câmara municipal, segunda-feira, a instalação da campanha dos 15 milhões. Folha do Povo, Recife, 24 set. 1953. Nota sobre evento onde será anunciado o montante arrecadado para a Imprensa Popular e onde será empossada a nova diretoria da comissão promotora dessa campanha.

Artigo de jornal
Hatori, Elza. Provas confirmam mortes da ditadura. Diário Popular, São Paulo, 1 de ago. 1991, p. 2. Trata da disponibilização do arquivo do DOPS/PR à Prefeitura de São Paulo para a realização de trabalho em Curitiba pela Comissão Especial de Investigação que foi criada por esta Prefeitura para acompanhar o processo das ossadas enterradas no Cemitério Dom Bosco, em Perus, São Paulo. As investigações levaram à confirmação da morte de vítimas da ditadura que não tiveram o óbito assumido pelo regime militar. Foram localizadas 17 fichas de militantes desaparecidos no arquivo do Paraná dentro de uma gaveta com a inscrição "Falecidos". Apesar das fichas e prontuários terem sido localizados em Curitiba, a maior parte destes 17 militantes desapareceu em São Paulo, depois de serem presos e torturados.

Artigo de jornal
Dep. Barbosa Lima Sobrinho requererá o "habeas corpus". Diário de Pernambuco, Recife, 15 jun. 1961. Informa que o deputado Barbosa será convidado a requerer em Brasília o "habeas corpus" em favor de Hiran de Lima Pereira, Irineu Ferreira e David Capistrano, presos pelo IV Exército durante a greve universitária e que, representantes de órgãos de classe aos quais pertencem os citados irão se reunir com o comandante do IV Exército para solicitar a quebra da incomunicabilidade dos mesmos. No verso do artigo há carimbo da Secretaria de Segurança Pública de Pernambuco.

Artigo de jornal
Artigo intitulado "Requerido habeas-corpus", sem fonte e data. Informam que um jornalista foi à Casa de Detenção onde estão algumas pessoas presas no assalto ao jornal "A Voz Operária" e que foi pedido o habeas corpus de Hiran. O artigo está incompleto.

Foto
Foto original e preto e branco de rosto.

Relatório
Documento do Centro de Informações da Secretaria de Segurança Pública de Pernambuco, sem data. Informa que Hiran era membro do PCB, foi gerente da "Folha do Povo", jornal publicado em Recife, foi candidato a Deputado Estadual pelo Partido Trabalhista Nacional (PTN), foi condenado a 19 anos de reclusão, teve seus direitos políticos suspensos por 10 anos e que tinha conta em banco com o nome de José Vanildo de Oliveira Almeida.

Relatório
Documento do I.P.M. do IV Exército, de 18/10/64. Informa que Hiran era membro do PCB, foi gerente da "Folha do Povo", jornal publicado em Recife, foi candidato a Deputado Estadual pelo Partido Trabalhista Nacional (PTN), foi condenado a 19 anos de reclusão, teve seus direitos políticos suspensos por 10 anos e que tinha conta em banco com o nome de José Vanildo de Oliveira Almeida. Inclui registro de emprego na Folha do Povo.

Relatório
Documento da Delegacia Auxiliar da Secretaria de Segurança Pública de Pernambuco, de 14/08/50. Informa sobre a descoberta de editora comunista e que uma de suas sucursais era dirigida por Hiran.

Relatório
Coletânea de 13 relatórios, de três informantes da polícia, sobre as atividades cotidianas de Hiran. Um dos relatórios é de 14/08/54, dois são de 04/62 e os restantes de 08/59.

Relatório
Relatório de investigador à Delegacia Auxiliar, de 10/01/53. Traz informações sobre telefonemas recebidos por Hiran.

Relatório
Relatório do investigador Severino Dias Pereira, de 30/08/54. Traz informações sobre comício realizado em Goiânia, em 29/08/54. Discursaram os candidatos considerados populares às próximas eleições: José Raimundo da Silva, Djaci Magalhães e Hiran de Lima Pereira, que disse, entre outras coisas, que Café Filho tentava a implantação de uma ditadura militar no Brasil.

Relatório
Relatório de informante, de 27/02/61, assinado por Paulo Conrado. Traz informações de Hiran, além de informações sobre as atividades e descrição física de suas filhas e de sua esposa.

Relatório
Documento de pessoa não identificada, de 12/09/56, informando que a distribuição de cópias da biografia de Hiran em coquetel do jornal pernambucano Folha do Povo foi realizada e relatório de Jorge Brito, em 12/09/56, descrevendo o coquetel ocorrido nesse mesmo jornal em 11/09/56, onde fingiu ser simpatizante do socialismo e com isso conheceu pessoas e marcou encontros.

Relatório
Relatório de informante, de 26/11/56. Relata encontro realizado no jornal pernambucano, Folha do Povo, na qual Hiran era um dos presentes. Foi discutido assuntos referentes a diversos órgãos sindicais de Recife, sobre o "Código Tributário" e Hiran disse que no caso de uma greve o Partido Comunista em Recife iria apoiar os demais partidos de oposição.

Relatório
Relação dos comunistas que publicaram artigos no jornal pernambucano Folha do Povo, em 18/12/49, sobre o aniversário de Stalin. Entre os nomes consta o de Hiran.

Relatório
Plano de estudo do Projeto do Programa do Partido Comunista do Brasil, com cronograma e distribuição de funções. Há uma anotação manuscrita de Hiran para Rildo Mouta, onde ele pede que Rildo dê continuidade ao estudo do programa, pois terá que viajar.

Relatório
Documento sem fonte e sem data. Traz o nome de Hiran seguido do nome de Fernandes Cardoso, nome falso utilizado pelo mesmo. Informa que Hiran foi eleito membro efetivo do Comitê Regional do Partido Comunista em reunião realizada em Olinda, mas não informa a data da reunião e que nesta mesma reunião ficou atribuída a ele a função de diretor do jornal Folha do Povo, publicado em Recife, desta forma sendo responsável pela ligação entre o partido e o jornal.

Termo de declarações
Depoimento de Zodja Pereira, filha de Hiran, à Comissão de Justiça e Paz de São Paulo, em 09/11/90. Zodja informa que Hiran foi Deputado Federal pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB), mas teve seu mandato cassado; em 1961 foi seqüestrado pelo Exército ficando desaparecido por 10 dias; em 1964, sua mãe e irmã Sacha foram presas por agentes do IV Exército e, nesse mesmo ano, Hiran passou a viver na clandestinidade; em 1975, sua mãe foi detida em São Paulo e mantida nas dependências do DOI-CODI, onde sofreu torturas e pela forma como foi conduzido seu interrogatório, acreditou que seu marido morreu no mesmo lugar também sob tortura; após alguns meses Zodja e sua irmã Sacha também foram detidas e interrogadas nas dependências do DOI-CODI. Acredita que os restos mortais de Hiran possam estar entre os despojos encontrados em Perus.

Termo de declarações
Documento da Delegacia Auxiliar de Pernambuco, de 23/09/50. Trata-se do auto de declarações de Arão Botler, informando que foi ao Rio de Janeiro para entregar um "plano de trabalho" a Hiran, seu conhecido. O material foi entregue a ele por uma pessoa da editora Waldir Duarte.

Prontuário/ Dossiê
Documento do DOPS/SP, sem data. Contém relatório, um contrato com Cia de Turismo, Promoções e Administração e extratos bancários.

Prontuário/ Dossiê
Documento sem fonte. Breve relato informando que Hiran pertencia ao Partido Comunista no Rio Grande do Norte, presidente do Instituto dos Comerciários e que afirmava ser "comunista até a morte".

Ficha pessoal
Documento da Delegacia de Ordem Política e Social, de 29/09/71. Informa que Hiran está com mandado de prisão decretado pela Justiça do Estado da Guanabara.

Ficha pessoal
Documento sem nome do órgão e sem data. Informa que Hiran assinou o Manifesto de Solidariedade ao Povo Cubano e o Manifesto de Solidariedade ao Governador Miguel Arraes.

Ficha pessoal
Documento sem identificação da instituição, sem data. Ficha pessoal com foto, qualificação e caracteres cromáticos.

Ficha pessoal
Documento da Secretaria de Segurança Pública de Pernambuco, sem data. Informa que em 28/08/57 Hiran foi eleito delegado ao VII Congresso de Jornalistas a realizar-se no Rio de Janeiro; em 21/05/64 foi decretada sua prisão preventiva; e que em 23/08/62 foi exonerado do cargo de Diretor do Departamento de Administração.

Ficha pessoal
Documento da Delegacia de Ordem Política e Social, de 28/10/50. Registro de preso com dados pessoais e dos motivos da prisão.

Documento pessoal
Coletânea de documentos pessoais, entre eles consta uma carta de cobrança da Revista Fundamentos - Revista de Cultura Moderna, de 28/09/51, carta de Fernandes, codinome de Hiran, a Matos, de 02/06/55, informando a impossibilidade de se realizar a "tarefa" e pedindo ajuda financeira, folha de cheque em branco do Banco Comércio Indústria de Minas Gerais S. A. e alguns comprovantes de movimentação bancária em contas no Banco do Comércio e da Produção, Banco Aliança de Pernambuco e no Banco Irmãos Guimarães Ltda.

Documento pessoal
Carta de Jan Jakowiec da delegação da Polônia, de 13/06/60. Informa seu retorno ao Rio de Janeiro e agradece a gentileza recebida de Hiran quando esteve no Recife. Há uma cópia deste documento em papel timbrado da Secretaria de Segurança Pública de Pernambuco.

Interrogatório
Documento de órgão não identificado, de 20-21/01/75. Interrogatório de Og Pozzoli, que declara que conheceu Hiran como sendo José Vanildo de Oliveira Almeida. O documento possui carimbo do DOPS.

Mandado de prisão
Documento da 7ª Região Militar de Pernambuco, de 23/02/67, solicitando a prisão de Hiran de Lima Pereira e David Capistrano da Costa, entre outros.

Ofício
Documento do Ministério da Aeronáutica, de 03/06/75. Informa que Hiran tinha conta em banco com o nome falso de José Vanildo de Oliveira Almeida, tem alguns dados pessoais do mesmo e solicita sua localização e prisão.

Ofício
Documento com timbre da Secretaria de Segurança Pública de Pernambuco, de 13/09/50, assinado por (a) H. Cordeiro pedindo informações sobre os assuntos da "Sucursal" e delegando tarefas para a mesma cumprir. O documento apresenta o nome de Hiran manuscrito.

Ofício
Documento da Casa de Detenção de Pernambuco, de 19/06/53, assinado por Severino Dias Pereira. Ele pede que seja reconsiderada o fim da proibição da circulação dos jornais "Folha do Povo" e "Imprensa Popular", no presídio, já que estes jornais são "comunistas" e isso pode gerar desordem entre os presos políticos que se encontram detidos em tal lugar e informa que o pedido foi assinado por Hiran.

Ofício
Documento do arquivo da Delegacia Auxiliar de Recife, de 28/04/59, informando que Hiran tem prontuário na mesma.

Ofício
Documento da delegacia auxiliar de Recife à Divisão de Ordem Política e Social do Rio de Janeiro, de 04/09/57. Informa as datas de viagem de Hiran e outros jornalistas para o Rio de Janeiro a fim de participarem do VII Congresso Nacional de Jornalistas.

Ofício
Documento da delegacia auxiliar de Pernambuco ao Juiz de Direito do Crime, de 07/12/49. Encaminha o inquérito policial instaurado contra o jornal pernambucano Folha do Povo, representado pelos seus diretores, entre eles Hiran.

Ofício
Documento do Delegado Especial à Delegacia Auxiliar de Pernambuco, de 28/01/54. Informa que Hiran estava mantendo contatos telegráficos com Joaquim Quintino Carvalho, redator do jornal "O Momento".

Ofício
Documento do Delegado Auxiliar de Pernambuco ao chefe de Polícia de Estado de São Paulo, de 31/08/57. Encaminha os "antecedentes" de vários integrantes do Partido Comunista de Pernambuco, entre eles, os de Hiran.

Ofício
Documento do IV Exército ao secretário de Segurança Pública de Pernambuco, de 29/03/65, comunicando encaminhamento de cópia autenticada do habeas corpus concedido a Hiran.

Ofício
Documento de investigador à Delegacia Auxiliar, de 15/09/53 e da Delegacia Auxiliar à Delegacia de Ordem Política e Social do Paraná, de mesma data. Informa que Hiran e Paulo de Figueiredo Cavalcanti foram para Curitiba a fim de participarem do 5ª Congresso de Jornalistas.

Ofício
Relatório de informante ao Comissário Supervisor, assinado por Genaro Guimarães, sem data. Traz informações sobre telefonema feito para o jornal pernambucano, Folha do Povo, onde a pessoa pede o endereço de Hiran.

Ofício
Ofício da Delegacia Auxiliar de Recife ao Diretor do Gabinete de Identificação, de 27/10/49. Solicita identificação de Hiran e de outras pessoas e envio de cópias dactiloscópicas e fotos.

Ofício
Documento enviado por Clovis Melo ao Governador de Recife, de 29/10/50. Informa que Hiran foi seqüestrado pela polícia durante tiroteio travado na praça Sérgio Loreto, em Recife, e que solicitou o envio da comissão jornalística para verificar os fatos.

Ofício
Documento do IV Exército, de 29/03/65, informando a concessão de habeas corpus para Hiran e o fato deste encontrar-se foragido.

Depoimento
Relato de Hiran sobre o "Caso Aglib", que conta a tentativa frustrada de libertar "Agliberto" e foi escrito em junho de 1954.

Evento/ Homenagem
Homenagem aos desaparecidos políticos por meio de ato de oficialização dos nomes das ruas do Jardim da Toca, em São Paulo, SP, em 04/09/91, contando com a presença da prefeita Luíza Erundina, do vereador Ítalo Cardoso, dos familiares dos homenageados e de representantes da sociedade. Homenageados: Ana Rosa Kucinski Silva, Antônio Carlos Bicalho Lana, Antônio dos Três Reis Oliveira, Aluísio Palhano Pedreira Ferreira, Aylton Adalberto Mortati, Elson Costa, Hiran de Lima Pereira, Honestino Monteiro Guimarães, Ieda Santos Delgado, Maria Lúcia Petit da Silva e Sônia Maria de Moraes Angel Jones. Acompanha convite para a solenidade.

Legislação
Lei 9.140/95. Diário Oficial, Brasília, n. 232, 5 dez. 1995. Reconhece como mortas pessoas desaparecidas em razão de participação, ou acusação de participação, em atividades políticas, entre 02/09/61 a 15/08/79, e que por este motivo tenham sido detidas por agentes públicos, achando-se, desde então, desaparecidas, sem que delas haja notícias. No Anexo I desta Lei foram publicados os nomes das pessoas que se enquadram na descrição acima. Ao todo são 136 nomes.

Certidão
Certidão da Divisão de Segurança e Informações, da Polícia Civil do Paraná, para a Comissão Especial de Investigação das Ossadas encontradas no Cemitério de Perus, de 24/07/91. Certifica que as fichas das pessoas a seguir foram encontradas no arquivo do DOPS, em gaveta com a identificação "Falecidos": Aluísio Palhano Pedreira Ferreira, Hiran de Lima Ferreira, Edgard de Aquino Duarte, Paulo Stuart Wright, Eduardo Collier Filho, Helenira Resende de Sousa Nazareth, Miguel Pereira dos Santos, José Huberto Bronca, Isis Dias de Oliveira, Antônio dos Três Reis Oliveira, Ayrton Adalberto Mortati, Jorge Leal Gonçalves Pereira, Luiz Almeida, Ruy Carlos Vieira Berbert, Joaquim Pires Cerveira, Virgílio Gomes da Silva e Elson da Costa.


voltar
EREMIAS DELIZOICOV - Centro de documentação | DOSSIÊ - Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil
2002 - 2007 Todos os direitos Reservados