Lista de nomes
Pesquisa
  OK
Morto e desaparecido
Audiovisual
Bibliografia
Eventos
História
Legislação
Notícias
Lígia Maria Salgado Nóbrega
Ficha Pessoal  
   
Dados Pessoais  
Nome: Lígia Maria Salgado Nóbrega
Cidade:
(onde nasceu)
Natal
Estado:
(onde nasceu)
RN
País:
(onde nasceu)
Brasil
Data:
(de nascimento)
30/7/1947
Atividade: Estudante universitária
UniversidadeUniversidade de São Paulo USP
   
Dados da Militância  
Organização:
(na qual militava)
Vanguarda Armada Revolucionária Palmares VAR-Palmares
Brasil
Nome falso:
(Codinome)
Anita, Isa, Célia, Cecília
Morto ou Desaparecido:
Morto
29/3/1972
Rio de Janeiro RJ Brasil
Av. Suburbana, 8988, casa 72, Bairro de Quintino
Clandestinidade
   
Dados da repressão  
Orgãos de repressão
(envolvido na morte ou desaparecimento)
Departamento de Operações Internas - Centro de Operações de Defesa Interna DOI-CODI Brasil
Médico legista:
(envolvido na morte ou desaparecimento)
Eduardo Bruno, Valdecir Tagliari
   
Biografia  
   
Documentos  
Artigo de jornal
Artigo incompleto, sem fonte e sem data, intitulado: Encontro de anistia divulga lista com novos desaparecidos. Informa que o Congresso Nacional pela Anistia divulgou lista com nomes de pessoas mortas e desaparecidas a partir de 1964.

Foto
Fotos originais e preto e branco do corpo. Possui cópia do arquivo do DOPS.

Foto
Fotos originais e preto e branco de busto e com outras pessoas

Relatório
Documento do Serviço de Informações do DOPS/SP, de 30/03/72, sobre Lígia Maria Salgado Nobreza, com os códigos das pastas do DOPS em que constam as informações citadas a cada parágrafo. Apresenta informações de 1970 sobre apreensão de carro do pai de Lígia que estava sendo usado por ela, dentro do qual estavam revólveres e material impresso considerado "subversivo". Há também declarações de outras pessoas sobre Lígia, inclusive de seu de pai.

Relatório
Documento sem data elaborado pela Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos reivindicando a inclusão do nome de Lígia Maria Salgado Nóbrega na lista dos reconhecidos pela Lei 9140, de 05/12/95. Relata brevemente sua vida e militância. Discorre sobre sua prisão e morte na Chacina de Quintino, no Rio de Janeiro, RJ, quando também foram presos e mortos Antônio Marcos Pinto de Oliveira e Maria Regina Lobo Figueiredo. No jornal Correio da Manhã, publicado no Rio de Janeiro, de 06/04/72, em "Terroristas morrem em tiroteio: Quintino", seus companheiros aparecem com os nomes James Allen da Luz e Ranúsia Alves Rodrigues. Segundo familiares de Antônio Marcos, Lígia estava grávida de 2 meses. A tortura é confirmada pelo irmão de Lígia que é médico e reconheceu o corpo, observando que havia escoriações e manchas escuras nas costas e nas regiões laterais do corpo, além dos tiros na cabeça e no braço.

Relatório
Informe do DOPS, de 06/04/72. Consta que foi estourado um aparelho subversivo na Av. Suburbana, Rio de Janeiro, RJ, onde as pessoas que morreram seriam: Ranúsia Alves de Oliveira, Lígia Maria Salgado Nóbrega, James Allen Luz e Onofre Rodrigues de Moraes. Dois homens conseguiram fugir.

Folheto
Folheto em homenagem a Lígia Maria Salgado Nóbrega, dando seu nome a uma praça. Inclui foto de rosto em preto e branco e breve história de Lígia, que se engajou em 1970 na Vanguarda Popular Revolucionária Palmares (VAR-Palmares) e foi metralhada em 29/03/72, quando a casa em que se encontrava no bairro de Quintino, na cidade do Rio de Janeiro, foi invadida por agentes do DOI-CODI. Junto com ela morreram seus companheiros Antônio Marcos Pinto de Oliveira e Maria Regina Lobo Leite Figueiredo. O folheto deve ter sido produzido por volta de 1992.

Prontuário/ Dossiê
Dossiê do IML/Estado da Guanabara, de 10/05/72 com documentos sobre a morte de Lígia Maria Salgado Nóbrega. Inclui: guia para necrotério e inventário de vestes e objetos retirados do cadáver, ambos do IML, de 30/03/72 e sem identificação do corpo, (indicando apenas tratar-se de corpo de mulher); declaração da Delegacia de Ordem Política e Social, do Estado da Guanabara, de 07/04/72, informando que o corpo de Lígia está disponível para ser removido para São Paulo; liberação do cadáver do mesmo órgão, de 07/04/72, apenas identificado como sendo de uma mulher; termo de identificação do IML da Guanabara, de 07/04/72, firmado pelo irmão de Lígia; auto de exame cadavérico, do IML da Guanabara, de 30/03/72, assinados por Eduardo Bruno e Valdecir Tagliari, seguido de esquema do corpo com áreas lesadas por bala.

Ofício
Documento do Serviço de Informações do DOPS/SP, de 17/08/72, divulgando a outros órgãos de segurança a verdadeira identidade dos "terroristas" mortos durante tiroteio em 30/03/72: Antônio Marcos Pinto de Oliveira, Wilton Ferreira, Maria Regina Lobo Leite de Figueiredo e Ligia Maria Salgado Nóbrega.

Ofício
Documento do Serviço de Informações, do DOPS/SP, de 17/08/72, sobre "terroristas mortos" a ser repassado para a comunidade de informações. Informa a verdadeira identidade de mortos durante tiroteio com órgãos de segurança da Guanabara, em 30/03/72. São eles: Antônio Marcos Pinto de Oliveira, e não James Allen Luz, codinome Evandro; Wilton Ferreira, e não Onofre Rodrigues de Moraes; Maria Regina Lobo Leite de Figueiredo, e não Ranúsia Alves de Oliveira, companheira de Evandro, viúva de Waldemar Rodrigues de Figueiredo, o qual usava os codinomes Marcos ou Chico; e Lígia Maria Salgado Nóbrega, que usava os codinomes, Anita, Célia ou Cecília. Todos eram militantes da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares).

Ofício
Documento do Centro de Informações e Segurança da Aeronáutica (CISA), de 06/04/72. Informa que, no dia 29/03/72, foram presos integrantes da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares) que indicaram o endereço de uma oficina mecânica na qual agentes do DOI-CODI-I Exército encontraram Wilton Ferreira (que resistiu à prisão e foi morto) e o de uma residência em que estavam Antônio Marcos Pinto de Oliveira, Lígia Maria Salgado Nóbrega e Maria Regina Lisboa Leite de Figueiredo (que vieram a falecer depois de tiroteio travado com agentes do DOI-CODI-I Exército). O documento apresenta carimbo do DOPS.

Parte de livro
Teles, Janaína (org.). Mortos e desaparecidos políticos: reparação ou impunidade? São Paulo: Humanitas - FFLCH/USP, 2000. p.172-176. Lista de nomes dos presos políticos cujas famílias receberam indenização do governo por este ter assumido a responsabilidade pela morte ou desaparecimento dos mesmos.


voltar
EREMIAS DELIZOICOV - Centro de documentação | DOSSIÊ - Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil
2002 - 2007 Todos os direitos Reservados